Home / 2º P - Planeamento /

Dicas sobre e-Commerce: como criar uma loja online?

Dicas sobre e-Commerce: como criar uma loja online?

 

Comprar online é uma actividade cada vez mais comum em Portugal, consequência da transformação das formas de comércio tradicional – que obrigou muitas lojas físicas a esforçarem-se para atrair os clientes e modernizar-se.

De facto, sectores como o retalho estão empenhados em incentivar este crescimento, tornando as compras online cada vez mais user friendly. Pelos vistos, esta transformação está a resultar, uma vez que, segundo o estudo Observador Cetelem e-Commerce 2018, a grande maioria das pessoas compra directamente nos sites das marcas.

De acordo com a análise, citada pelo ECO, são mais de 80% as pessoas que escolhem comprar nos sites das marcas, enquanto 56% vão a plataformas agregadoras, como eBay e Amazon. As páginas de classificados, como o Custo Justo ou o OLX, são onde 24% dos consumidores compram.

Mas como criar uma loja online? Será um bicho de sete cabeças? Neste guia mostramos que não é assim tão díficil.

Guia para criar uma loja online

O e-Commerce está cada vez mais competitivo, com a tecnologia a possibilitar websites mais inteligentes, envio mais rápido e uma maior exigência pela parte de clientes.

Passo 1 – Criar a empresa online

O primeiro passo para iniciar uma loja de e-Commerce é ter uma empresa ou marca. Pode, por exemplo, fazer na Empresa na Hora ou no Balcão do Empreendedor no Portal do Cidadão.

Quanto a custos, podem ultrapassar os 582€ (360€ para criar a empresa na hora e se for uma empresa online custa 180€ + 200€ registar da marca, sendo que online fica por 100€ + 15€ a 22€ para registar o domínio, que é válido por um ano).

Escolha um domínio (.com, .pt, .net, .org, .eu, etc…) que identifique o website na Internet. A escolha do domínio é muito importante, pois pode inclusive ter influência no futuro tráfego que pode vir a ter.

Já escolheu o domínio? Agora só tem de registá-lo, é só fazer uma pesquisa online e comparar os preços e processos oferecidos. Algumas das empresas mais conhecidas de registo de domínios são a DNS, Domínios, GoDaddy e a AMEN.

Passo 2 – Ter presença online

A segunda tarefa que deve realizar é alojar o domínio da empresa num servidor físico, nas instalações da empresa ou numa cloud. Depois, deve optar pelo tipo de presença na Internet:

a) Site institucional, onde pode expor o seu negócio – com ou sem produtos – mas sem hipótese de vender online. É um modelo para empresas que pretendem dar a conhecer o seu negócio mas que não querem vender através da Internet.

b) Loja online, onde permite a venda de produtos e o pagamento online dos mesmos. Indicado para quem pretende dar a conhecer o seu negócio e vender produtos e serviços na Internet.

Passo 3 – Pensar operacionalmente

É muito importante planear como vai operacionalizar toda a estratégia de e-Commerce da sua marca, tendo de pensar em tópicos como o limite do espaço em disco, a análise dos indicadores do site, a ou as base de dados, o apoio ao cliente, o preço, entre outros.

Se está a pensar em vender online, deve pensar nos modos de pagamento que quer ter no website – não se esqueça que, quanto mais tiver, mais facilmente clientes efectuarão a compra.

Há várias soluções de pagamento, tais como o cartão de crédito (VISA, MasterCard, MB Net, etc…), PayPal, referência multibanco, entre muitos outros. Perceba quais são as melhores soluções de pagamento online para o negócio e clientes.

Quase que nem é preciso referir que é necessária a abertura de uma conta bancária comercial para gerir as transacções financeiras online.

Para isso, para além da conta é preciso criar um gateway de pagamento (aplicação para e-Commerce instalada num servidor remoto e mantida por uma operadora financeira que autoriza pagamentos de transacções online em sites de e-Business).

Passo 4 – Escolher a tecnologia necessária

Se vai ter uma loja online vai precisar de um software que faça a ligação entre o site e infraestrutura que permita a clientes escolher e encomendar os produtos ou serviços, alterar encomendas e efectuar pagamentos.

Também deve optar por sistemas que permitam efectuar promoções, descontos, e outras formas de fidelização de clientes.

 

Ao mesmo tempo, é importante implementar um sistema informático de gestão empresarial (Enterprise Resource Planning ou ERP) que integre todas as funções mais importantes da gestão da empresa, que seja certificado e permita a emissão do ficheiro SAF-T para as Finanças. Da mesma forma, se for possível, aposte num sistema informático de gestão dos clientes (Customer Relationship Management ou CRM).

Passo 5 – Fazer benchmarking e pesquisa de palavras-chave

Estes passos podem ser feitos em qualquer etapa do processo e já entra no âmbito do marketing. Aliás, é um processo contínuo.

Teste em motores de busca como o Google e ferramentas de keyword research (como o Keyword Planner do Google Adwords ou Ubersuggest) algumas expressões que considera serem utilizadas por potenciais clientes para verificar o interesse por temas relacionados com o negócio e observar o número de páginas apresentadas.

Simultaneamente, faça uma investigação sobre a concorrência directa e indirecta: registe as melhores práticas de marketing online e tente fazer melhor.

Tente colocar-se na pele de cliente e tente chegar a conclusões que permitam implementar as melhores estratégias de modo a que optem pela sua loja virtual. Não se esqueça que, independentemente de todas as variáveis, ter o melhor produto é fulcral.

Passo 6 – Estruturar o site

Comece a organizar toda a informação possível sobre os produtos ou serviços que tem para oferecer, nomeadamente categorias e subcategorias, características, descrição e vantagens, referências, preços, entre outros que achar relevantes.

Depois, chega a altura de decidir que páginas quer ter no site, que links deseja inserir, que menus, categorias e produtos quer apresentar, entre outros. O mais comum é criar uma homepage com algumas categorias básicas, como “Produtos e serviços” “Sobre nós”, “FAQ”, “Contactos” e “Mapa do site”.

Tire ideias de sites funcionais e apelativos e construa um design consistente, user friendly, com uma boa user experience e a mesma estrutura de navegação em todas as páginas. Ter bom pessoal de programação web pode ajudar nesta fase.

Passo 7 – Testar a loja online

Depois de fazer upload dos conteúdos para o servidor, deve testar cuidadosamente o site várias vezes e de diferentes formas.

Tenha especial atenção ao funcionamento dos links, compatibilidade com os vários browsers, resolução e compatibilidade do ecrã nos diferentes dispositivos e tempo de carregamento do site.

Passo 8 – Promover o website

Agora falta pôr o marketing da sua empresa a mexer! Se não promover activamente a loja online, fica mais complicado angariar clientes.

Pode apostar tanto em acções pagas, como orgânicas, sendo que hoje os conteúdos são muito importantes para que um site seja indexado e bem classificado nos motores de busca. Se não tem uma equipa de marketing, pode sempre pedir ajuda a empresas qualificadas.

Não se esqueça também de visitar as nossas páginas com Ferramentas de Marketing Digital e também o Kit Web Marketing, onde pode encontrar algumas das melhores soluções para rentabilizar a sua loja online.

Passo 9 – Garantir o cumprimento de questões legais

Não se descuide com as questões legais! É importante obter junto da ACEPI a certificação para lojas online, assegurando o cumprimento dos requisitos legais.

Existem igualmente regras de obrigatoriedade de informação, prazos de devolução e protecção de dados dos consumidores, como o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), a cumprir e que devem estar explícitas na informação sobre as condições de compra no website.

Vantagens de criar uma loja online

Além de ser uma solução fácil de implementar e gerir, uma loja online apresenta inúmeras vantagens, como ser um sistema de fácil e rápida implementação e ter uma “loja aberta” 24 horas por dia, 7 dias por semana, o ano inteiro.

Para além disso, o domínio pode ser personalizado, permite ter a informação das métricas em tempo real, tem a possibilidade de ser partilhado nas redes sociais, existe um controlo sobre os pedidos online, pode haver uma lista de envio de newsletters periódicas para clientes registados na base de dados e permite vários meios de pagamento.

Se precisa de ajuda para montar o seu próprio website, pode sempre contratar web developers de qualidade!

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
Blog Mário Caetano

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

[instagram-feed]