Home / Jornalismo Digital /

The Interview: o filme que os hackers tiraram do cinema

the interview

The Interview: o filme que os hackers tiraram do cinema

 

O cancelamento do filme The Interview, cuja tradução para português é Uma entrevista de loucos, está a gerar grande polémica na Internet. Entre inúmeras petições para trazer a película de volta, há  quem chegue a oferecer as suas salas de cinema para a transmissão e esteja a fazer negócio a partir dos posters do filme. Nem o Presidente Barack Obama ficou indiferente.

De onde surge toda esta polémica? Neste post, analisamos a situação e tentamos perceber como é que um ataque informático pode ser o suficiente para retirar um filme dos cinemas.

Tudo começou quando um grupo de hackers – que se intitulam a si mesmos de Guardians of Peace – atacou o sistema informático da Sony Pictures. Entre as várias informações roubadas, o grupo terá adquirido o filme The Interview, interpretado pelos atores Seth Rogen e James Franco. O filme acompanha dois jornalistas que, seguindo ordens da CIA, recebem a missão de matar o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un. O pretexto para o assassinato seria uma entrevista, a mesma que dá o nome The Interview ao filme.

No dia 16 de dezembro, a cerca de uma semana do lançamento do filme, os Guardians of Peace lançaram então uma ameaça: todos os cinemas que transmitissem o filme sofreriam consequências semelhantes às do 11 de setembro. As palavras do e-mail citado por vários media dizia que “Em breve, o mundo vai ver o que o filme terrível da Sony Pictures Entertainment provocou.” Este era um aviso que tanto se destinava às cadeias de cinema como aos espectadores pagassem para ver o filme.

A ameaça provocou inúmeras reações. Em poucas horas, a maioria dos cinemas decidiu não transmitir o filme e a Sony, apesar de se manter em silêncio durante algum tempo, acabou por cancelar a distribuição do The Interview. Para já, fica apenas a garantia de que estão a ser estudadas hipóteses para resolver o problema rapidamente.

Ainda antes do ataque cibernético, o filme já tinha gerado polémica. Na altura em que saiu o trailer, o governo norte-coreano declarou que a transmissão do filme seria considerada um “ato de guerra” e implicaria uma “retaliação impiedosa”.

Até ao momento, a Coreia do Norte negou estar envolvida no ataque informático à Sony, embora reconheça que foi um “ato de justiça”. Entretanto, o Governo dos Estados Unidos disse exatamente o contrário. O Presidente norte-americano, Barack Obama, garantiu que Washington “responderá de forma proporcionada” à Coreia do Norte e que a Sony cometeu um erro ao cancelar a distribuição do filme, permitindo que um ditador censurasse conteúdos nos Estados Unidos.

O estado norte-coreano será agora devidamente investigado. Caso se prove que está envolvido no ataque, a nação governada por Kim Jong-Un poderá passar a constar de novo na lista negra de países que patrocinam o terrorismo.

Print

Cancelamento de The Interview: reações na Internet

Enquanto o impasse se prolonga, circulam opiniões de alguns críticos de cinema que tiveram oportunidade de ver o filme. A revista norte-americana Variety, por exemplo, disse que o The Interview é uma “suposta sátira tão divertida quanto uma escassez de alimentos à comunista”. A imprensa chinesa considerou que o filme é de uma “arrogância cultural absurda”, mantendo a sua posição ao lado do aliado norte-coreano.

 

Mas os fãs, além de assinarem petições online para trazer o filme de volta e criarem páginas de apoio nas redes sociais, temem que o filme nunca veja a luz do dia. Entre os fãs, destaca-se, por exemplo, George R. R. Martin – o aclamado autor dos livros que inspiraram a série televisiva Game of Thrones – que ofereceu o seu cinema Jean Cocteau para transmitir o The Interview.

MarketSamuraiBanner2

Entretanto, quanto maior a procura e menor a oferta, maior é o preço. É a seguir este princípio fundamental da economia que alguns fãs estão a construir verdadeiras fortunas vendendo os posters do The Interview. Só no Ebay é possível encontrar vários posters à venda por centenas de dólares.

Os Guardians of Peace, apesar de satisfeitos com a decisão tomada pela Sony, voltaram a atacar durante o fim-de-semana, apresentando uma nova exigência: a remoção de todo o conteúdo promocional do The Interview. De novo a Sony cedeu à pressão e, em poucas horas, a página do Facebook do filme desapareceu, assim como qualquer outro conteúdo publicado anteriormente nas redes sociais.

Leia mais sobre o filme The Interview neste post do blog Mundo de Cinema.

LEIA OUTROS ARTIGOS RELACIONADOS NO NOSSO BLOG:

Quais são os países inimigos da Internet

Yoani Sánchez, a blogger que desafiou o regime cubano

O plano de fuga do blogger do Bahrain

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
Mídia Kit Blog Estratégia Digital

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

[instagram-feed]