Home / 4º P - Publicação /

O seu website trabalha SEO?

O seu website trabalha SEO?

 

SEO – Search Engine Optimization. Em português significa algo como ferramenta de otimização de um site. Esta ferramenta não é mais do que a rentabilização ou a potenciação de uma página, ou até mesmo de um site inteiro, para que seja melhor compreendido pelas ferramentas de busca como o gigante Google.

Qual é o grande objectivo das técnicas SEO?

Tornar o site da sua empresa bem visível quando os consumidores fazem buscas na internet.

Agora que já tem uma ideia do que é, fica a pergunta: O site da sua empresa trabalha SEO?

A otimização de sites aumenta a visibilidade das empresas nos motores de busca, com o objetivo óbvio de posicionar bem a marca no mercado e/ou alavancar os resultados de vendas na internet. Através de um bom trabalho de SEO, o site fica melhor posicionado nos principais motores de busca da internet. E tudo sem gastar dinheiro, desde que o site esteja adaptado aos diversos critérios exigidos, o que é bem diferente dos links patrocinados (sistema em que as empresas pagam para estarem no topo dos resultados dos motores de busca).

A melhor forma de trabalhar o SEO é fazer um bom trabalho das palavras-chave que o site ou empresa pretende indexar na internet. A otimização de busca é responsável pela navegabilidade, usabilidade e indexação do conteúdo. Para classificar os sites, os motores de busca têm em consideração vários aspectos.

MarketSamuraiBanner2

Conheça os critérios SEO essenciais para a classificação de um website

– Tempo de registo do domínio (idade do domínio);

– Idade do conteúdo;

– Frequência do conteúdo: regularidade com que é adicionado novo conteúdo;

– Tamanho do texto: número de palavras acima de 200-250;

– Idade do link e reputação do site que o aponta;

– Características padrão da página;

– Pontuação negativa sobre as características da página (por exemplo, redução para sítios web com utilização extensiva de meta-tags de palavras-chave ou indicadores que apontem para uma otimização artificial);

– Originalidade do conteúdo;

– Termos relevantes utilizados no conteúdo (os termos que os motores de busca associam como sendo relacionados com o tema principal da página);

– Google Pagerank (usado apenas no algoritmo do Google);

– Quantidade de links externos;

– O texto-âncora contido nos links externos;

– Relevância do site que faz o link para o seu website;

– Citações e fontes de pesquisa (indica que o conteúdo é de qualidade para pesquisa);

– Termos relacionados na base de dados do mecanismo de busca;

– Pontuação negativa para links de chegada (provavelmente provenientes de páginas de baixo valor, links de chegada recíprocos, etc.);

– Ritmo de aquisição dos links de chegada: muitos ou incremento muito rápido pode indicar atividade comercial de compra de links;

– Texto próximos aos links que apontam para fora e os links de chegada: Um link acompanhado da expressão «links patrocinados» pode ser ignorado;

– Uso da tag «rel=nofollow» para esculpir o ranking interno do website;

 

– Profundidade do documento no site;

– Métricas coletadas de outras fontes, tais como monitoramento da frequência com a qual os utilizadores retornam clicando em voltar quando as SERPs as enviam para uma página em particular (Bouncerate);

– Métricas coletadas de fontes como Google Toolbar, Google AdWords/Adsense, etc.;

– Métricas coletadas de partilha de dados com terceiros (como provedores de dados estatísticos de programas utilizados para monitorar tráfego de sites);

– Ritmo de remoção dos links que apontam para o site;

– Uso de sub-domínios, uso de palavras-chave em sub-domínios e volume de conteúdo nos sub-domínios, com pontuação negativa para esta atividade;

– Conexões semânticas dos documentos servidos;

– IP do serviço de hospedagem e o número/qualidade dos demais sites hospedados nesse IP;

– Uso de redirecionamentos 301 ao invés de redirecionamentos 302 (temporário);

– Mostrar um cabeçalho de erro 404 em vez de 200 para páginas que não existem;

– Uso adequado do arquivo robots.txt;

– Frequência de tempo em que servidor se encontra ativo;

– Se o site mostra conteúdo diferente a diferente tipos de utilizadores ou «crawlers» («cloaking»);

– Links «quebrados»;

– Conteúdo inseguro ou ilegal;

– Qualidade da codificação HTML, presença de erros no código;

– Taxa real de cliques observados pelo mecanismo de busca para as listas exibidas na SERPs;

– Classificação de importância feita por humanos nas páginas com acessos mais frequentes;

– Velocidade de carregamento do site.

banner-ebook-websites-beat-digital

OUTROS ARTIGOS RELACIONADOS COM ESTE POST:

Ainda não tens o Livro 8Ps do Marketing Digital?

É possível ter emprego como blogger em Portugal?

Como ganhar dinheiro pela Internet: Conversion Hero

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
OCTOSUITE

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

[instagram-feed]