Home / Casos de sucesso de Estratégia Digital /

De onde vem todo o sucesso da Porta dos Fundos?

porta dos fundos

De onde vem todo o sucesso da Porta dos Fundos?

AdobeStock

Durante a Feira do Empreendedor 2016, um dos convidados recebidos foi Antonio Tabet, o humorista e argumentista de muitos dos vídeos do Porta dos Fundos, o programa humorístico brasileiro que, semanalmente, publica novos vídeos no YouTube. Hoje, é raro encontrar alguém que não saiba o que é a Porta dos Fundos ou que não tenha visto um dos seus vídeos. Em Portugal, alguns desses vídeos chegaram mesmo a passar no canal de televisão da Fox.

O sucesso da Porta dos Fundos é facilmente medido pelos números que alcançou desde 2011. Até julho de 2016, o canal do YouTube contava com mais de 12 milhões de subscritores. Porém, este é um número que promete continuar a crescer, já que há cada vez mais utilizadores de países de língua estrangeira a render-se aos vídeos cheios de humor dos comediantes brasileiros.

Neste artigo, falamos do sucesso da Porta dos Fundos, recorrendo às explicações apresentadas por Antonio Tabet durante a Feira do Empreendedor 2016.

Quem está por detrás da Porta dos Fundos?

Tudo começou com um grupo de cinco amigos que não estavam totalmente satisfeitos com a falta de liberdade criativa da televisão brasileira. Quem eram esses amigos? Fábio Porchat, Gregório Duvivier, João Vicente de Castro, Antonio Tabet e o diretor Ian SBF. Ainda que a Porta dos Fundos tenha iniciado funções no final de 2011, os vídeos só começaram a ser publicados em agosto do ano seguinte. Até lá, aconteceu um prolongado processo de produção e promoção do canal. A equipa da Porta dos Fundos, que tencionava também transmitir os vídeos na televisão nacional, não encontrou nenhum investidor e acabou por se resignar à Internet.

Ao publicar finalmente os seus primeiros vídeos, a Porta dos Fundos tornou-se num dos primeiros canais do YouTube a padronizar os dias de publicação dos vídeos. Uma programação foi estabelecida, para que os conteúdos fossem publicados em dias fixos (segundas e quintas-feiras de manhã, às 11 horas) como se se tratasse de um programa televisivo a sério. O que até era… só que em vez de acontecer a televisão, acontecia na Internet. O sucesso comprovado da Porta dos Fundos ditou que este grupo de comediantes incrementasse a produção de vídeos para que os pudesse publicar também ao sábado.

Claro que um projeto audiovisual desta magnitude exigia investimento financeiro. Por isso mesmo, ficou acordado entre os cinco fundadores da Porta dos Fundos que cada um devia investir, todos os meses, com 5 mil reais para a empresa. Conforme explicou Tabet na Feira do Empreendedor, este foi um investimento que duplicou para os 10 mil reais a partir do terceiro mês. Porém, todo o esforço e investimento compensou. Alguns meses mais tarde a Porta dos Fundos tinha-se tornado um projeto auto-suficiente. O dinheiro que gerava era suficiente para pagar as contas, mesmo que ainda não trouxesse lucro.

Templates

Pelo menos, foi isto que aconteceu até lançarem o vídeo do Spoleto. Para quem não teve a oportunidade de ver este vídeo, deixamos abaixo:

Inicialmente chamado de Fast Food, este vídeo que conta com argumento de Fabio Porchat chegou ao YouTube no dia 13 de agosto de 2012 e foi o sexto a aparecer no canal. Durante a fase de produção, a equipa procurou o patrocínio de uma marca de fast food para utilizarem durante as filmagens. Porém, devido ao argumento controverso, não conseguiram o apoio de nenhuma marca.

Depois do vídeo ser publicado, a marca brasileira Spoleto contactou diretamente a Porta dos Fundos e chamou-os para uma reunião. Queriam saber porque não tinham filmado o vídeo num dos seus restaurantes, porque achavam que o resultado final tinha sido incrível e que o espaço do vídeo era facilmente associado a um dos restaurantes da sua cadeia. Deste encontro resultou uma parceria – dois vídeos seriam gravados na Spoleto – e a marca, por sua vez, contaria com publicidade. Não muito tempo depois, a Spoleto teve um aumento de 700% no número de pessoas que mandavam currículo para trabalhar lá.

No que toca ao faturamento registado pela Porta dos Fundos, não é difícil perceber de onde vem. Mais do que uma vez falamos no nosso blog que, com uma boa estratégia digital, podemos alcançar lucro no YouTube. A Porta dos Fundos recebe lucro principalmente a partir de conteúdo patrocinado. Marcas pagam aos comediantes para que utilizem os seus espaços ou elementos das suas marcas para criarem vídeos humorísticos. Ainda assim, como Tabet contou, isto resulta melhor quando é dada total liberdade criativa pelas empresas.

Entretanto, quando a Porta dos Fundos começou a crescer, a equipa teve de recorrer a especialistas em negócios e gestão, de forma a orientarem-se perante tantos resultados positivos. O sucesso é tal que hoje, aquilo que começou como um mero canal de YouTube, é uma empresa com mais de 70 funcionários.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

[instagram-feed]