Home / Estratégia Digital /

Entenda por que a desintermediação é importante na publicidade do futuro

Entenda por que a desintermediação é importante na publicidade do futuro

 

A publicidade está a sofrer uma revolução nos dias em que vivemos e o resultado de tal revolução será ditado no campo de trabalho… e no futuro! Não é novidade nenhuma que as formas tradicionais de publicidade estão a ser questionadas, ao ponto de podermos perguntar se aquilo que resta poderá ainda ser chamado de “publicidade”.

Mesmo que tais mudanças não sejam suficientes para decretarmos o fim da forma como promovemos conteúdos, é seguro dizer que vivemos numa nova era.

Todos os anos Mary Meeker, especialista da Kleiner Perkins Caufield & Byers (KPCB) – uma firma de investimentos sediada na Califórnia – divulga as suas “tendências de Internet” para o ano em curso.

Em 2016, a especialista apresentou algumas ideias para reflexão que nos fazem interrogar sobre o futuro dos media e da tecnologia. No entanto, segundo Meeker, existem três tendências que merecem uma análise específica pelo que significam – ou podem significar – para o futuro da publicidade.

Em primeiro lugar, há o facto observável de os utilizadores de Internet estarem a utilizar cada vez mais as plataformas de comunicação como elemento central de partilha e disseminação de informação, um fenómeno que é global e sobretudo incidente nas gerações mais novas.

Em segundo lugar, a crescente adoção dos bloqueadores de anúncios para limitar a publicidade que é exibida nos sites e nas plataformas que utilizam.

Por fim, a tendência para marcas e anunciantes estarem presentes diretamente nas plataformas que os indivíduos utilizam, tornando os fluxos sociais que existem nessas redes em fluxos comerciais. A combinação destes três fenómenos diz muito sobre o que será o futuro da publicidade e sobre as transformações de que essa disciplina está a ser objeto.

 

A publicidade do futuro será ditada pelos consumidores

A publicidade moderna nasceu, cresceu e evoluiu com os mass media. Mas com a migração para o digital e a distribuição de informação através de canais de comunicação organizados em rede, o que ocorre necessariamente é uma desintermediação que afeta tanto os media tradicionais como as marcas e os anunciantes que comunicam através deles, numa relação que foi aliás sempre simbiótica ao longo da história.

Desintermediação”, aqui, significa mesmo “desintermediação”: não se trata apenas de substituir os “velhos media” por “novos media” – ao contrário do que muita gente parece supor. O que está em causa é a supressão do intermediário, uma vez que no novo paradigma de comunicação digital na sociedade em rede todos os utilizadores podem comunicar e controlar os seus fluxos comunicativos e todos estão ligados a todos sem imperativo de usarem um único canal.

Por isso, quando questionamos a capacidade dos media para controlarem o fluxo de informação na era da comunicação em rede, temos de questionar também a capacidade dos anunciantes para controlarem o impacto da publicidade num mundo em que os canais de informação são abundantes e as ferramentas para gerir os fluxos de informação são cada vez mais comuns e fáceis de usar.

 

Conforme aponta Philip Evans no vídeo em cima, de certo modo, a adoção destas tecnologias de informação e comunicação “distribuídas” corresponde a uma transferência de poder dos media e dos anunciantes para os utilizadores.

Dito de outro modo, no mundo digital em rede, o traço comum a ambas as indústrias relacionadas – os media e a publicidade – é a crescente capacidade dos utilizadores para serem eles próprios a controlar e gerir todos os aspetos dos seus fluxos de informações, sejam elas notícias sobre assuntos de atualidade ou informações sobre um determinado produto.

OCTOSUITE

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

[instagram-feed]