Home / Jornalismo Digital /

Estarão as redes sociais a perturbar o nosso sono?

sono

Estarão as redes sociais a perturbar o nosso sono?

 

O título pode ser acutilante, mas provavelmente está já a ver onde quero chegar com este post. Quando juntamos na mesma frase “redes sociais” e a palavra “sono” ocorre-lhe certamente um hábito que a generalidade das pessoas incorporou na sua rotina diária. Quantos de vocês verifica o smartphone e as redes sociais assim que acorda e se deixa ficar na cama? E quantos de vocês adormece a fazer exatamente o mesmo?

Esta realidade, que era mais do que expectável visto que os smartphones e a Internet se enraizaram nas nossas vidas durante as últimas décadas, tem sido estudada por diversas universidades. Um dos mais recentes estudos vem da Universidade de Pittsburgh e parece estar muito perto de provar o que temos vindo a desconfiar: verificar as redes sociais antes de dormir pode impactar o nosso descanso, especialmente entre a faixa etária mais jovem.

Ao longo dos próximos parágrafos vamos falar deste estudo, de como foi realizado e das conclusões que foram alcançadas.

As redes sociais impactam mesmo o nosso sono?

O estudo elaborado pela Universidade de Pittsburgh deu enfoque à relação entre a utilização de redes sociais e o sono de jovens adultos entre 19 e 32 anos. A investigação, pioneira em focar-se no estudo da relação entre a nova geração, a internet e as redes sociais, teve em consideração os dados de 1788 jovens norte-americanos.

Esta amostra respondeu a questionários com perguntas sobre os seus hábitos sociais. Fora isto, os padrões de sono de cada um dos participantes foi devidamente analisado durante um certo período de tempo.

 

É a partir daí que se começam a encontrar algumas conclusões. Os que verificam as redes sociais com frequência eram até três vezes mais propensos a ter menos qualidade de sono do que aqueles que não iam à Internet antes de dormir. O estudo descobriu ainda mais: quem verificava as redes sociais frequentemente durante o dia corria o risco de perturbar até duas vezes mais o seu ciclo de sono do que aqueles que usam este tipo de plataformas menos vezes.

Surge então a questão: então são mesmo as redes sociais as responsáveis pela mudança do nosso sono ou são os padrões menos saudáveis de descanso que encorajam as pessoas a passar mais tempo nas redes?

De acordo com os investigadores, a luz emitida pelos dispositivos eletrónicos pode causar “vontades emocionais, cognitivas e fisiológicas” que nos impulsionam a usar as redes. Passar a noite a publicar também contribui para esse cenário, e já é sabido que procurar constantemente atualizações das redes é muito pior que passar bastante tempo em apenas uma rede social.

Um dos possíveis usos dessas informações passa por ajudar pacientes que estão a sofrer de problemas para dormir. Jessica C. Levenson, autora principal do artigo, admite que um padrão pode ter sido encontrado: “as nossas descobertas podem indicar que a frequência de visitas em redes sociais é uma forma melhor de prever a dificuldade de sono do que o tempo total gasto nas redes”, explicou. “Intervir em casos de ‘verificação obsessiva’ pode ser mais efetivo”.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
8ps

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

[instagram-feed]