Home / Tecnologia /

Voto online: E se pudéssemos votar na Internet?

voto-online

Voto online: E se pudéssemos votar na Internet?

 

Um dos princípios básicos da democracia é o direito ao voto. Ao longo de séculos, lutamos para assentar a sociedade sobre princípios de igualdade, algo que implicaria também liberdade em eleger aquele que consideramos mais apto para governar. Apesar de ser um método justo, uma vez que todos têm o seu direito à palavra, nem sempre houve igualdade.

Numa primeira fase, o voto estava restrito a quem pagasse impostos superiores a um determinado montante, dispensando assim da lista de eleitores as classes sociais mais baixas. Posteriormente, o panorama foi mudando e o voto foi alargado a outras classes, apesar de as mulheres serem mantidas de fora, privadas de ter um voto na matéria da governação do seu país. “A política não é para as mulheres”, argumentavam.

Mesmo assim, houve de novo luta e eventualmente o voto passou a ser de todos. A queda do fascismo em Portugal garantiu que o mesmo direito fosse igual para todos. Porém, de eleição para eleição, tem-se constatado que em Portugal um aumento das taxas de abstenção.

Seja por estarem indignados com a presente situação política ou por não acreditarem no sistema de eleições, há cada vez mais portugueses a ficar em casa no dia de ir às urnas. É por isso mesmo que se torne pertinente fazer uma pergunta: e se as urnas fossem a sua casa, será que votava? Com a Internet, talvez seja possível.

Voto online: clicar no candidato e já está

Na sucessão das eleições na Madeira – que atingiram de novo uma taxa de abstenção histórica – o jornal Económico falou com a Multicert, uma empresa nacional dedicada a certificação digital. Jorge Alcobia, o CEO da Multicert, defende que Portugal não só está preparado para implementar o sistema de voto online, como já acontece na Estónia e Brasil, como tal medida pode ser determinante para a redução das taxas de abstenção.

A grande questão prender-se-ia pela segurança do voto online: os eleitores só poderão votar se tiverem segurança para o fazer. A maioria dos grupos partidários portugueses continua a duvidar deste método, temendo resultados fraudulentos e quebra de confidencialidade.

Porém, Jorge Alcobia sossega estes temores, contando ao Económico que “A segurança e confidencialidade estão asseguradas por uma combinação do protocolo de votação, técnicas criptográficas, arquitectura da infraestrutura e segregação de funções e de informação”.

E a verdade é que o potencial desta prática é enorme. Fora a diminuição assegurada das taxas de abstenção, há que relembrar que seria excelente para diminuir os custos dos actos eleitorais.

 

De forma a provar que tal sistema pode ser possível, a Multicert já se mostrou disponível para fazer uma experiência, durante as legislativas de Outubro, propondo que se faça o teste numa freguesia com alguns milhares de eleitores. Se tudo correr em conformidade com os requisitos de segurança e sigilo, o voto online poderia ser alargado a outras localidades, de forma a atingir uma grande escala ainda a tempo das Presidenciais.

“A nossa solução está preparada para suportar vários tipos de eleições, incluindo eleições nacionais. Contamos já com 12 de anos experiência de votações electrónicas em várias organizações, e inclusivamente pilotos para eleições legislativas e europeias”, contou o CEO da Multicert ao Económico.

O sistema da empresa permite que os eleitores, após serem devidamente credenciados através de um sistema de identificação, exerçam o seu direito de voto a partir de dispositivos como smartphone, tablet ou portátil. O requisito obrigatório será sempre que o aparelho tenha acesso à web. Este é um sistema que se diferencia dos outros que, por norma, exigem a instalação de máquinas nas mesas de voto. Em Portugal já existiram experiências piloto deste tipo de voto online, mas os resultados não foram contabilizados.

LEIA AGORA OUTROS ARTIGOS RELACIONADOS NO NOSSO BLOG:

– Afinal, como surgiu a Internet?

– Project Loon: Balões que levam a Internet a todo o mundo

– Facebook e Google ajudam a combater a Ébola

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
Blog Mário Caetano

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

[instagram-feed]