Home / Comércio Eletrónico /

10 erros que não pode cometer se faz vendas pela Internet

10 erros que não pode cometer se faz vendas pela Internet

 

O potencial que a Internet trouxe ao mundo do comércio é inegável. Há meio século atrás era impensável sequer que pudesse existir um sistema de compras baseado na Internet: confiar no ecrã para conhecer o produto, pagar sem conhecermos o vendedor e receber um artigo do outro lado do mundo sem sairmos de casa.

Não há dúvida de que a Internet tornou possíveis novos mercados. As lojas, além de funcionarem além-fronteiras, estão abertas durante 24 horas e todos os dias da semana. Pode fazer a sua compra quando for mais oportuno.

Todavia, o consumidor moderno e virtual é tão (ou até mesmo mais!) exigente que o consumidor clássico. Criar uma loja virtual não é apenas abrir um website e colocar imagens dos produtos por cima do botão “comprar”. Existem certas regras a respeitar se deseja ser bem-sucedido dentro do mercado e obter a confiança do utilizador.

Neste post, compilamos alguns dos piores erros cometidos por vendedores online e que podem comprometer o futuro do negócio.

Os 10 erros que não pode cometer se faz vendas na Internet

1. Pouca informação

O e-commerce tem uma grande desvantagem relativamente ao comércio tradicional: o consumidor não pode tocar, ver e avaliar o produto antes de efetuar a compra.

Como tal, para convencer o consumidor é necessário ceder  informação detalhada sobre cada artigo: tamanho, material, peso, dimensões e informações secundárias que convençam o consumidor da qualidade do serviço. Uma vez que o consumidor não conhece tão bem a mercadoria como você, prefira usar palavras mais simples e descritivas em vez de termos técnicos.

2. Contactos escondidos

O seu e-mail, o número de telefone e até mesmo páginas nas redes sociais são extensões importantes do negócio. Apesar do website ser o rosto da empresa, os contactos são a voz. Sempre que o consumidor tiver dúvidas quanto a um produto ou à política da empresa, pode contactá-lo diretamente. Isto é mais importante do que parece: ao demonstrar a sua acessibilidade, vai transmitir maior confiança ao consumidor.

Por isso mesmo não cometa o erro de colocar os contactos escondidos no seu website. Coloque-os bem visíveis, de preferência no topo da barra lateral ou no rodapé. É importante dar mais do que um meio de contacto.

MarketSamuraiBanner2

3. Processo de compra complicado

Não há necessidade para complicações. O que o consumidor quer é chegar ao website, encontrar o produto, dar as informações pessoais, pagar e receber a mercadoria. Não é necessário fazer mais nada fora desta sequência de ações.

Ainda assim, existem ainda muitas lojas virtuais a cometer este erro: a pedir para responder a questionários, a sugerir produtos relacionados que também podem interessar, entre outros. Pense que quantos mais passos colocar entre o consumidor e a finalização da encomenda, maior será a oportunidade para o consumidor desistir da transação.

4. O motor de busca interna não funciona

Por norma, ao entrar numa loja física, o consumidor vê a mercadoria exposta ao longos dos expositores e vitrines até decidir o que comprar. Em caso de dúvida, procura um assistente de loja para o ajudar a encontrar um determinado produto.

É expectável que o consumidor faça o mesmo ao entrar na loja virtual. Todavia, quem funciona como assistente de loja? A resposta é simples: o motor de busca interna. Basta digitar uma palavra-chave para obter resultados de produtos associados ao termo procurado. Assim, o consumidor pode continuar a sua pesquisa e a ver diferentes produtos.

A ausência de um motor de busca interna ou o seu mau funcionamento pode ser prejudicial para o negócio. Estará a limitar acessibilidade ao potencial cliente e a limitar-se a si mesmo, impedindo que a mercadoria seja encontrada.

 

5. Fotografias de produto pequenas

A acompanhar as informações textuais relacionadas com o produto certifique-se de que estão também fotografias com qualidade que o ilustrem bem. Não caia no erro de usar fotografias pequenas, desfocadas ou pixelizadas. Inclua também fotografias que apresentem o produto em diferentes perspectivas.

6. Opções de pagamento

Um dos maiores preconceitos do e-commerce está no pagamento. Há quem se sinta desconfortável por fazer pagamentos virtuais, fornecendo os seus dados pessoais e bancários. Para evitar que esta situação aconteça, não cometa o erro de limitar as opções de pagamentos aos seus clientes.

Além da tradicional opção do cartão de crédito, ofereça outras modalidades de pagamento: cheque eletrónico, Paypal, multibanco, entre outros. Relembre que cada utilizador encara a Internet de forma diferente.

7. Loja virtual confusa

Uma loja virtual mal estruturada é exatamente o mesmo que uma loja física desarrumada. Antes de construir o website, pense bem nas categorias que quer abrir e nos elementos de navegação que vai incluir no layout. Ao criar as categorias, certifique-se de que cada uma delas tem pelo menos um produto. Adicionar o produto ao carrinho de compras deverá ser fácil e, de preferência, não deve interromper a navegação do utilizador, levando-o para outra página.

8. Não incluir gastos de portes

Antes de o cliente finalizar a sua encomenda, especifique bem quanto é que vai pagar em portes. Tomando o exemplo de grandes companhias americanas, permita ao navegador calcular o transporte da mercadoria. Para executar esta funcionalidade, não são necessárias dores de cabeça: existem inúmeros plugins e widgets que, após instalados, permitem calcular os portes.

9. Não incluir políticas da loja

Esclareça bem qual a política da sua loja online. Esta é uma condição fundamental para que os consumidores se sintam seguros no momento de fazer a compra. Explicite corretamente quais os termos de entrega, devolução e qualquer regra sobre o funcionamento do website que considere ser pertinente.

O melhor método para abordar as políticas da loja virtual é o FAQ (Frequently Asked Questions – Perguntas frequentemente questionadas). O utilizador consulta uma lista de perguntas até encontrar aquela que se adequar à sua dor. A pergunta virá acompanhada de uma resposta.

10. Não focar nos produtos

Uma loja virtual, tal como qualquer loja física, tem um propósito: vender produtos. Por isso mesmo, não exagere no design e não dê enfoque a elementos irrelevantes. Os produtos têm de surgir em primeiro lugar.

CLIQUE E LEIA OUTROS ARTIGOS INTERESSANTES SOBRE O UNIVERSO DO E-COMMERCE:

As novas regras do comércio eletrónico

E-Commerce: um fenómeno cada vez mais português

Top 10 de templates de e-commerce para WordPress 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
8ps

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

[instagram-feed]